Cosas Que Suenan A... - Maldita Nerea (Tradução da letra)

Your browser does not support video.

ESPANHOL PORTUGUÊS
Yo nado en mares pequeños Eu nado em mares pequenos
Y que todo salga bien E que tudo saia bem
Que si son grandes me pierdo Que se são grandes me perco
Y luego nunca sé volver E depois não sei voltar
   
Verás, a mí ya no me van las pelis de miedo Olha, já não estou afim de filmes de medo
Los ojos tristes, las miradas Os olhos tristes, os olhares
Que van a parar al suelo Que vão parar no chão
   
No vuelo en círculos cerrados Não voo em círculos fechados
Que no, que luego siempre se repiten Que não, que depois sempre se repetem
Mejor en mares pequeños Melhor em mares pequenos
Donde el frío no te vea Onde o frio não te veja
Donde ya no llega el sueño Onde já não chega o sono
Y prometí portarme bien E prometi me comportar
   
Verás, a mí lo que me va es contarte primero Olha, estou afim de te contar primeiro
Que yo soy todo lo que piden Que eu sou tudo o que pedem
Las princesas que yo quiero As princesas que eu amo
Si llueven pájaros mojados Se chovem pássaros molhados
Tú y yo no iremos nunca donde dicen Você e eu não iremos nunca aonde dizem
   
Por si acaso no recuerdas mis abrazos Por acaso não se lembra dos meus abraços
Yo te dejo mi canción Eu te deixo minha canção
Guarda ese miedo que lo vela todo y solo se queda Guarda esse medo que vigia tudo e só fica
Solo se queda Só fica
Diciendo cosas que siempre suenan a triste Dizendo coisas que sempre soam tristes
Cosas que suenan a olvidar Coisas que soam a esquecer
Todo ese ruido que el maldito invierno Todo esse barulho que o maldito inverno
Nunca se lleva Nunca leva
   
Porque de mucho más grandes hemos salido Porque de muito maior temos saído
Ven, cuando lleguen nos habremos ido Venha, quando chegamos já teremos ido
Donde las cosas que pasan se ahogan con un buen café Onde as coisas que passam se afogam com um bom café
   
Veras, a mí lo que me va es tumbarte en el suelo Olha, eu estou afim de me deitar no chão
Para decir con la mirada lo que con mi voz no puedo Para te dizer com um olhar o que não posso dizer com a minha voz
   
Ya no seremos nunca extraños Já não seremos estranhos
Ya no seré quien siempre te lo dice Já não serei quem sempre te o diz
   
Y haré que el frío nunca encuentre tus abrazos E farei que o frio nunca encontre teus abraços 
Y no llegue a mi canción E não chegue na minha canção
Guarda ese miedo que lo vela todo y solo se queda Guarda esse medo que vigia tudo e só fica
Solo se queda Só fica
Diciendo cosas que siempre suenan a triste Dizendo coisas que soam tristes
Cosas que suenan a olvidar Coisas que soam a esquecer
Todo ese ruido que el maldito invierno Todo esse barulho que o maldito inverno
Nunca se lleva, nunca se lleva Nunca leva, nunca leva
   
Y dice cosas que siempre suenan a triste E disse coisas que sempre soam triste
Tananana tanana Tananana tanana
Que nunca llegue en el momento equivocado Que nunca chegue no momento errado
Porque siempre caí abriendo círculos cerrados Porque sempre cai abrindo círculos fechados
Verás, a mí lo que me va es colgarme en tu vuelo Você vai ver que o que quero é me pendurar no seu voo
Para pedirte desde ahí que sigas Para te pedir de aí que continues
Que sigas siendo lo que quiero Que continues sendo o que eu quero
   
Y por si acaso no recuerdas mis abrazos E por acaso não se lembre dos meus abraços
Yo te dejo mi canción Eu te deixo minha canção
Guarda ese miedo que lo vela todo y solo se queda Guarda esse medo que vigia tudo e só fica
Solo se queda Só fica
Diciendo cosas que siempre suenan a triste Dizendo coisasa que sempre soam tristes
Cosas que suenan a olvidar Coisas que soam a esquecer
Todo ese ruido que el maldito invierno Todo esse barulho que o maldito inverno
Nunca se lleva, nunca se lleva Nunca leva, nunca leva
Luego nunca sé volver Depois nunca sei voltar
Y sigo y siguen, y siguen E continuo, e continuam, e continuam
Diciendo cosas que siempre suenan a triste Dizendo coisas que sempre soam tristes
Que suenan a olvidar Que soam a esquecer
Que suenan a olvidar. Que soam a esquecer.